Melhore o comportamento do seu bebê/criança através da Terapia Floral

Ao contrário do que pensamos, crescer e se desenvolver não é  fácil. Apesar de ser algo natural da vida, o crescimento e o desenvolvimento infantil gera crises evolutivas já esperadas. Estas crises costumam modificar o comportamento do bebê/criança, além de afetar também a alimentação e o padrão de sono.

Mas o que seria uma crise evolutiva? Crises evolutivas são crises relacionadas ao crescimento natural da criança, isto é, a criança não cresce apenas fisicamente, mas também cognitiva, psíquica e emocionalmente.  A cada fase evolutiva da criança ela precisa apreender o mundo de uma maneira diferente da anterior, visto que agora está mais madura e com capacidades físicas, cognitivas e emocionais distintas; precisa ainda compreender seu próprio crescimento, assimilar suas novas capacidades e perceber que ainda existem limitações. Conforme mencionado acima, durante essas fases, podem ocorrer mudanças de comportamento, alimentação e padrão de sono e os pais/cuidadores podem ter dificuldade de lidar com tudo isso.

Num bebê de até 18 meses de idade, estas crises evolutivas são chamadas de picos de crescimento e saltos de desenvolvimento.

Picos de Crescimento

Os picos de crescimento são fases nas quais o bebê passa por um crescimentofísico rápido e intenso e por conta disso tende a mamar ou comer mais e com mais frequência para suprir o gasto de energia inerente ao próprio crescimento. Os picos mais comuns ocorrem nos seguintes períodos:

  • 7 – 10 dias

  • 2 – 3 semanas

  • 4 – 6 semanas

  • 3 meses

  • 4 meses

  • 6 meses

  • 9 meses

Os picos de crescimento não acabam aos 9 meses, eles ocorrem inclusive na adolescência, que será assunto para outro texto.

 Saltos no desenvolvimento 

 Os saltos no desenvolvimento são aquisições de novas habilidades (linguagem, movimentos, equilíbrio etc). Quando um bebê adquire uma nova habilidade a tendência é repeti-la durante todo o dia e inclusive à noite, durante o sono. A aquisição de uma nova habilidade ocorre por conta do  desenvolvimento neurológico e cognitivo do bebê e por conta deste desenvolvimento o bebê consegue enxergar o mundo de uma forma mais ampla do que anteriormente, consegue observar as novas possibilidades e desafios que o mundo tem a lhe oferecer e por conta de tudo isto tende a ficar mais ansiosa, irritadiça e agitada. Os saltos de desenvolvimento mais comuns tendem a ocorrer nas fases abaixo:

  • 5 semanas (+ou – 1 mês)

  • 8 semanas ( 2 meses)

  • 12 semanas (3 meses)

  • 19 semanas (4 meses e meio)

  • 26 semanas (6 meses)

  • 30 semanas (7 meses)

  • 37 semanas (8 meses e meio)

  • 46 semanas (quase 11 meses)

  • 55 semanas (quase 13 meses)

  • 64 semanas (quase 15 meses)

  • 75 semanas (17 meses)

Evidentemente o desenvolvimento do bebê não termina aos 17 meses, mas os saltos mais marcantes se dão nas faixas etárias acima citadas. Ao completar 2 anos, o bebê deixa de ser bebê e é “promovido” à criança e então começa mais uma fase difícil, a chamada terrible two, a famosa adolescência da criança.

 Terrible Two

Por volta dos 2 anos a criança anda, fala bastante coisa, consegue comer e beber sozinha, ligar aparelhos eletrônicos etc, então ela acha que pode fazer tudo sozinha. É verdade que nesta fase a criança pode fazer bastante coisa sozinha, mas existem coisas que necessitam de supervisão de adulto e outras que não podem ser feitas sozinhas nem em sonho. É comum também que comecem a escolher as próprias roupas e sapatos. Na verdade, durante o terrible two é iniciada uma fase de teste de limites, a criança quer impor sua vontade a todo custo, não aceitando ser contrariada e quando o é recorre às birras, atirando-se ao chão e gritando esteja a família onde estiver: em casa, no shopping, no parque etc.

Como lidar com estas fases difíceis?

 Conforme citado no início do texto, todas estas crises são comuns, mas o fato de serem comuns não as torna facilmente administráveis. Então para que a fase se torne menos difícil existe a Terapia Floral,  que pode minimizar bastante as mudanças de comportamento e padrão de sono, bem como as famosas birras  e testes de limites do terrible two.

O floral é um composto líquido à base de flores que traz para o paciente as virtudes necessárias ao seu equilíbrio. Por se tratar de uma terapia vibracional, o medicamento é diluído, assim como na homeopatia e na antroposofia, atuando diretamente no campo energético do paciente e não no corpo físico. Atualmente existem websites disponibilizando questionários que após respondidos indicam o floral mais adequado para a pessoa. Não caia nesta jogada! Cada ser humano tem suas peculiaridades e a irritabilidade ou ansiedade de uma criança é diferente da irritabilidade ou ansiedade de outra. Procure sempre um terapeuta floral apto a escutar suas queixas e a fazer as perguntas necessárias para entender a fundo as questões do seu filh@, ainda que possa se tratar de uma crise evolutiva comum e sem agravantes, e somente depois recomendar os florais mais adequados.

Os florais são medicamentos vibracionais e não atuam da mesma forma que os fitoterápicos, que atuam no corpo físico do paciente.

O floral para crianças é o mesmo que o do adulto, a única diferença é o conservante, que assim como o do floral para pets não pode ser alcoólico.  Por não ter um conservante alcoólico, deve-se tomar cuidado redobrado na hora da conservação destes florais.

 Agravantes

Embora as crises evolutivas sejam esperadas, elas podem ser agravadas por alguns eventos adversos como entrada na escola, chegada de um irmãozinho, perda de um ente querido ou animal de estimação etc. A terapia floral também consegue tratar os sintomas relacionados a estes eventos, estando atrelados à crise evolutiva ou não.